.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. RASTREIO AUDITIVO NEONATA...

. MIELOMA MÚLTIPO

. "A DOR MENTE"

. MAIS BENEFÍCIOS DO CAFÉ

. SEMANA DA INCONTINÊNCIA U...

. HIV E SIDA

. BOAS FESTAS

. SUGESTÕES DE TEMAS?

. HIPERPLASIA BENIGNA DA PR...

. ENDOMETRIOSE

.arquivos

. Junho 2012

. Janeiro 2012

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

NUTRIÇÃO PARENTERAL

A nutrição parenteral é um tipo de alimentação dada através de uma veia, serve para complementar ou substituir completamente a alimentação oral (através da boca) ou entérica (introdução directa de alimentos ou medicamentos, com o auxilio de uma sonda na via digestiva). Uma pessoa que não pode, não consegue ou não deve alimentar-se utilizando o seu aparelho digestivo, necessita de uma outra maneira de alimentação que o mantenha num estado nutricional adequado, pois o paciente mal nutrido enfrenta com muita dificuldade as doenças e sistematicamente evolui para a morte quando não é revertida esta situação. Conforme a necessidade a nutrição parentérica pode ser parcial ou total.

Entre os indivíduos necessitados desta alimentação, podemos considerar, casos como: os recém-nascidos prematuros, cujo sistema digestivo não é capaz de digerir o leite de modo satisfatório à sua necessidade; pacientes submetidos a grandes cirurgias gastrointestinais que por vezes agravam-se com fistulas; pacientes com a síndrome do intestino curto. Esta alimentação pode ser feita em casa, desde que se tenha os devidos cuidados de assepsia e o paciente não tenha problemas em utilizar agulhas.

Como principal complicação, por tratar-se de uma solução altamente nutritiva, é a contaminação por bactérias e fungos que povoam os frascos. Para evitar este problema existem técnicas como a esterilização dos frascos e materiais, e a asséptica são extremamente necessárias.

O acesso venoso da nutrição parental total deve ser uma veia central para evitar a flebite ou flebotrombose que é a formação de coágulos numa veia, como também deve ser uma veia de grande calibre, próxima ao coração para evitar uma reacção inflamatória da veia, devido à concentração alta de glicose, um dos componentes desta alimentação, como também são: a água, os aminoácidos, os lípidos, o sódio, o potássio, o cálcio, o fósforo, o magnésio, as vitaminas ( A, B1, B6, B12, C, D, E e K ) e os minerais ( ferro, zinco, cobre, cromo e iodo).
publicado por Dreamfinder às 23:10

link do post | comentar | favorito

.links